terça-feira, setembro 13, 2011

Dama de Vermelho


Quando pensaste ter um grande amor

Foi enganado pela paixão e luxúria

No veneno daquela boca um céu em volúpias

Lábios sedutores que causaram tanta dor

As entranhas invadidas pela indecência

Veias dilatadas pela ânsia do prazer

Belo corpo e disseste eis a glória de um viver

A flor do ópio exalou toda a hipocrisia

Dama de vermelho com seus esmeros

Fogos de artifício, tão passageiros..

Razão de teu imenso desespero

Agora achas que o destino é trapaceiro

Do jeito que a queres também quero

Mas ela pertence ao mundo inteiro.


Tania Mara Camargo em Poesias e Afins.
Dessa mulher não me exigas o nome, se não quiseres que turves de lágrimas esssa lembrança" D. Ramóm Angel Jara